Sexualidade – Intimidade Sexual

Sexualidade – Intimidade Sexual

Terminada a fase da paixão caracterizada pelo vislumbre absoluto do (a) parceiro (a), é como se aqueles “defeitinhos” fossem quase invisíveis, ah… quase irrelevantes.

Porém não mais que de repente, o (a) parceiro (a) não mais se arruma fisicamente como antigamente, parece que todos os dias ele (a) acorda e escolhe suas roupas e acessórios porque lhe parece não haver outro jeito. Arrumar-se passa a ser trabalhoso primeiramente para si e depois para o outro.

Com o tempo comportamentos como a admiração, elogios, palavras e ações carinhosas ou até “calientes” simplesmente desaparecem.

O encanto acaba: o príncipe vira sapo e a princesa se transforma em gata borralheira.

Mas lá no fundo da alma, ainda há um desejo que foi ofuscado pela pressão do dia a dia, pelas prioridades profissionais, afazeres domésticos e como num toque de mágica ambos começam a sentir a falta de atenção, a ausência de colo, a falta de carinho e do olhar capcioso.

Surgem as dúvidas, as risadas alegres são substituídas pelo riso de canto de lábios.

O amor continua ali presente como se fosse uma pequenina luz quase que se apagando.

O que fazer nestes momentos onde não mais se sente atração? Como salvar a intimidade, mesmo que estes atos ainda signifiquem a sobrevida da relação?

Para criar estes momentos íntimos tão significativos e importantes para o casal, seguem algumas dicas:

Combine um horário especifico e realmente reserve este horário em sua agenda e vá a algum lugar diferente para conversar a respeito da relação, porém o primeiro assunto a ser expressado na pauta é o seu sentimento pelo (a) parceiro (a). Muitas vezes o (a) parceiro (a) pode nem mais saber o que você sente por ele (a) e tem medo de falar a respeito. Porém ambos deverão ceder.

Respeite a opinião do outro, pois cada um na relação vê a situação de forma diferente, pois cada um traz consigo suas crenças e experiencias adquiridas muitas vezes sem opção de escolha.

Faça coisas diferentes com seu parceiro (a), faça uma lista de novos lugares, restaurantes, viagens ou atividades a serem executadas e desfrute ao máximo do planejamento e saboreie a experiência.

Você poderá observar que tanto você como seu parceiro (a) descobrirão coisas até então inimagináveis.

Fique próximo (a) de seu parceiro (a), lembre-se que no período de paixão, vocês se tocavam, iam para cama no mesmo horário, e se não ocorria o sexo, porque sexo não é obrigação, ao menos aconteciam as conversas antes do sono. Fetiches, fantasias e filmes pornôs se aceitos por ambos, podem fazer a diferença.

Fale de sexo, ele não pode ser tabu, pois pelo contrário será o grande fantasma no meio do casal enquanto não for conversado.

Quanto menos roupa na hora de dormir melhor. Facilitar o toque da pele, a sensualidade, a sensação de liberdade de contato, pode possibilitar ao seu parceiro (a) a sensação de que você o (a) está desejando.

Liberte-se e desfrute de você mesmo (a). A relação entre duas pessoais que se amam, não pode ser apenas uma relação afetuosa, deve ser mais que isso, deve ser também erotizada.

Relação afetuosa é relação de amigos.

Texto de autoria de Selma Alves da Silva

Gostou do Artigo?

Share on facebook
Compartilhe no Facebook
Share on twitter
Compartilhe no Twitter
Share on linkedin
Compartilhe no Linkedin
Share on pinterest
Compartilhe no Pinterest
Selma Alves

Selma Alves

Psicóloga e Palestrante

DEIXE UM COMENTÁRIO