Timidez na Infância

Timidez na Infância

Normalmente o comportamento de crianças tímidas tende a passar despercebido pelos pais e professores pelo estereótipo de criança, boazinha, obediente, educada e até mais inteligentes.

Chegam a ser usadas como referência por pais de amiguinhos como criança exemplo, reforçando a timidez e a crença de que só é valorizada se ficar quietinha.

Crianças tímidas por não apresentarem comportamentos perturbadores, passam muitas vezes despercebidas aos olhos dos professores e pais, porém tão quanto às crianças excessivamente peraltas, poderão apresentar sérios problemas de relacionamento e inadequação psicossocial no decorrer de seu desenvolvimento podendo inclusive vir a serem classificadas com transtornos.

São utilizados diversos termos que se confundem com a timidez, como por exemplo: inibidas, retraimento social, isolamento, medrosas. É necessário saber diferenciar:

Timidez tem a ver com menor interação interpessoal, crianças que interagem pouco com seus pares e limitam-se às pessoas específicas, facilmente permanecem sozinhas, isoladas. Possuem maior dificuldade de interagir com adultos, a chamada inabilidade social.

Há uma linha tênue entre o comportamento espontâneo da criança em se isolar de seu grupo, e o isolamento da criança por iniciativa do seu grupo, pares e até mesmo exclusão.

A timidez pode ocorrer por fatores de predisposição (características de personalidade, modelo de família, comportamento dos pais e temperamento) ou por déficit de habilidades sociais.

Existem alguns comportamentos que podem ser evitados quando se tem próximo uma criança tímida:

1. Apreciar e elogiar a criança tímida pelo seu comportamento quieto – portanto não perturbador, comparando-a inclusive com as crianças mais ativas.

2. Inobservância do comportamento da criança que evita sair de casa para não se expor a situações desafiadoras de contato.

3. Punição ou desatenção com o comportamento da criança, por exemplo, quando esta interrompe a atenção dos pais em dado momento, dando vazão ao sentimento de rejeição ou castigo o que a faz entender que expressar-se gera retaliações.

Características mais freqüentes das crianças tímidas:

• Dificuldade em olhar nos olhos de outras crianças ou adultos
• Dificuldade em demonstrar alegria e sorrir
• Respondem apenas o que é perguntado
• Fala em monossílabos
• Fala em tom baixo
• Assustam-se frequentemente
• Barulhos excessivos lhe incomodam
• Sentem-se incomodadas com muitas pessoas
• Não expressam vontades
• Dificuldade na relação com crianças desconhecidas
• Dificuldade em manter diálogo com crianças conhecidas
• Suor nas mãos
• Dificuldade em sair de perto dos pais em eventos externos
• Dificuldade em deixar-se ser vista
• Opta por ficar maior tempo dentro de casa
• Na escola fala de forma restrita com colegas e professor
• Isola-se em horários de intervalo ou então fica sempre com o mesmo amigo
• Não gosta de possuir objetos que chamem atenção das demais crianças
• Só fazem o que lhes é pedido
• Expressam medo em sua fisionomia
• Aceitam facilmente que as vestimentas sejam escolhidas pelos pais e raramente expressam vontade de vestir uma determinada roupa
• Nunca se defendem
Como os pais e professores podem auxiliar no desenvolvimento da criança possibilitando maior interação social?
• Ser paciente, conversando com a criança mesmo que inicialmente não obtenha respostas – é um treino e ninguém muda da noite para o dia
• Brincar com a criança, com brinquedos do tipo perguntas e respostas,
• Brincar de desenhar e cada um fala de seu desenho, brincando com as cores
• Questionar a criança quanto as suas atividades na escola, com amigos, mostrando-se receptivo pelo que ela responde
• Não criticar ou dar opinião contrária à da criança para brincadeiras onde o que vale é a opinião individual dos participantes
• Elogiar sempre os sucessos ou tentativas em solucionar ou realizar algo
• Abolir por completo a prática de comentar na frente da criança sobre sua timidez e comportamento com qualquer outra pessoa
• Não resolver situações pela criança em função de sua dificuldade e sim estimular a fazer mesmo que não saia perfeito
• Não elogiar a criança por ser quieta comparando-a com outras crianças
• Não punir a criança quando esta fizer algo e por algum motivo não der certo, mas sim elogiá-la por ter tentado.
Caso as ações acima já sem praxe do convívio familiar, é importante levar à criança para uma avaliação psicoterapêutica.

Texto de autoria de Selma Alves da Silva

Gostou do Artigo?

Share on facebook
Compartilhe no Facebook
Share on twitter
Compartilhe no Twitter
Share on linkedin
Compartilhe no Linkedin
Share on pinterest
Compartilhe no Pinterest
Selma Alves

Selma Alves

Psicóloga e Palestrante

DEIXE UM COMENTÁRIO